5 habilidades vitais críticas que todos deveriam ter

0
39
5 habilidades vitais críticas que todos deveriam ter
5 habilidades vitais críticas que todos deveriam ter
equi foto
equi foto

Via: Big Think

Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem 5 habilidades gerais de vida que todo mundo precisa.

A Organização Mundial de Saúde identificou 5 habilidades básicas de vida que são cruciais para cultivar e aprender, a fim de ter uma vida melhor e mais produtiva.

Do pensamento criativo ao aprendizado para lidar com o estresse, essas habilidades deveriam ser incutidas nos jovens durante sua educação e nutridas durante toda a vida.

Embora o melhor momento para desenvolver essas habilidades seja durante a juventude, o segundo melhor momento é agora.

Não é segredo que nosso sistema educacional não é ideal. Muitas das habilidades de vida que precisamos não são ensinadas; Em vez disso, nos concentramos em programar jovens com habilidades específicas do mercado para prepará-los para a força de trabalho.

Muitas vezes, isso significa que as crianças estão se formando no ensino médio e na faculdade mal equipadas para lidar com os desafios mais amplos encontrados na vida. Embora importante, aprender a estrutura de uma célula não vai te ensinar como desescalar o conflito antes que ele vá longe demais, e aprender como encontrar o valor de x não vai te ensinar como não desmoronar sob pressão. As habilidades para a vida não só melhoram a qualidade de vida de uma pessoa, mas também são atraentes para os empregadores, que precisam de funcionários mentalmente estáveis e bem equipados para lidar com desafios e responsabilidades que não estão listados na descrição do trabalho.

É por isso que a Organização Mundial da Saúde (OMS) identificou cinco habilidades fundamentais para a vida que são relevantes para todos, independentemente de cultura, educação ou formação. Especificamente, a OMS concentrou-se em habilidades psicossociais em vez de habilidades como, digamos, administração financeira ou aprender a cozinhar. Essas são habilidades amplas que podem ser aprimoradas com o passar do tempo por meio de esforços conscientes que lidam com o senso de si mesmo, com o senso dos outros e com as habilidades cognitivas.

1. Tomada de decisões e resolução de problemas

Todos, incluindo até mesmo os bebês, enfrentam desafios e dificuldades em suas vidas. No entanto, nem todo mundo tem talento para superar esses desafios. Alguns entendem mal a premissa de um problema, outros trabalham em círculos e ficam presos na paralisia da análise. Uma maneira de tomar decisões e resolver problemas de forma eficaz é seguir o DECIDE system de Kristina Guo, que ela desenvolveu inicialmente para os profissionais de saúde:

1- Definir o problema

2- Estabelecer os critérios e restrições

3- Considerar todas as alternativas

4- Identificar a melhor alternativa

5- Desenvolver e implementar um plano de ação

6- Avaliar e monitorar a solução e feedback quando necessário

Se isso parece muito clínico para você, outra opção é seguir o método de tomada de decisão de Benjamin Franklin, o qual chamou de “Álgebra Prudencial”. Quando o amigo Joseph Priestly escreveu para Franklin sobre um problema, Franklin deu a ele uma estrutura para tomar decisões.

Essencialmente, Franklin recomenda que elaboremos um gráfico pro e contra:

1) anote os prós e os contras

2) risque resultados opostos que se equilibram mutuamente

3) escolha o lado que vencer.

Dessa forma, Franklin terminaria com uma lista final inclinada a favor ou contra e tomaria sua decisão de acordo. Ele faria isso ao longo de vários dias, de modo que sua mente estivesse sempre fresca ao lidar com o problema.

2. Pensamento criativo e pensamento crítico

Todos sabemos que existem poucos domínios que não dependem muito do pensamento criativo e crítico. No entanto, definir o pensamento crítico é uma tarefa muito escorregadia. “Em um nível, todos nós sabemos o que ‘pensamento crítico’ significa: significa bom pensamento, quase o oposto do pensamento ilógico e irracional”, escreveu o Dr. Peter Facione em seu ensaio “Pensamento crítico: o que é e por que isso conta”. “Mas há mais do que uma definição vaga, é claro.

Facione afirma que” o pensamento crítico é um julgamento auto-regulado e proposital que resulta em interpretação, análise, avaliação e inferência, bem como a explicação das considerações evidenciais, conceituais, metodológica, critérios ou contextuais em que se baseia esse julgamento. “Resumindo, é um modo autoconsciente, focado e analítico de ver as coisas.

Como se vê, uma das melhores maneiras de melhorar as habilidades de pensamento crítico é estudar as humanidades. A tendência tem sido pensar nas humanidades como uma espécie de cauda vestigial atrás do resto dos campos de estudo mais avançados, um resquício de uma época em que os poetas eram realmente celebridades. No entanto, as humanidades sempre ensinaram as pessoas a pensar bem. Lamentavelmente, os humanos têm cérebros peculiares, propensos a preconceitos e dependentes de heurística no lugar de computadores mais eficientes e construídos para o propósito, mas temos que aprender a trabalhar com o que temos.

Há pesquisas que apoiam essa afirmação também. Um estudo da North Carolina State University, por exemplo, descobriu que os alunos matriculados em cursos de humanas se tornaram mais céticos em relação à pseudociência em comparação com aqueles matriculados em um curso sobre métodos de pesquisa científica.

3. Comunicação e habilidades interpessoais

O dramaturgo irlandês George Bernard Shaw disse certa vez: “O maior problema da comunicação é a ilusão de que isso ocorreu”. Sem se tornar talentoso, ou pelo menos competente, na comunicação, você corre o risco de experimentar mal-entendidos e lutas e discussões desnecessárias.

Bons comunicadores ganham mais dinheiro, têm maior auto-estima, têm melhores casamentos e são mais procurados pelos empregadores. Embora a ansiedade social possa dificultar a saída, a busca por terapia metacognitiva tem se mostrado muito eficaz. Se for viável, apenas sair da zona de conforto e praticar intencionalmente a comunicação talvez seja o método mais eficaz para melhorar essa habilidade crucial da vida.

4. Autoconsciência e empatia

Autoconsciência e empatia são dois lados da mesma moeda. Juntas, elas constituem uma compreensão das experiências, emoções e pensamentos que ocorrem tanto dentro de si mesmo como nos outros. O pesquisador Phillipe Rochat descreveu a autoconsciência como “a questão mais fundamental da psicologia” e por boas razões. Pouco na vida não seria melhorado por uma compreensão completa das próprias motivações. Pesquisas mostram que praticar a atenção plena pode promover autoconsciência e empatia, habilidades críticas que podem combater o vício em drogas, reduzir o estresse e promover um entendimento mais forte dos outros. Muitas das habilidades da vida mencionadas nesta lista se sobrepõem, mas nenhuma é tão influente quanto a autoconsciência e a empatia.

5. Lidar com as emoções e lidar com o estresse

Uma das poucas certezas da vida é que as coisas vão dar errado. Aprender a lidar com esses desafios inevitáveis com graça e resiliência é essencial. De acordo com a Associação Americana de Psicologia, existem dez métodos para aprender a promover a resiliência e se recuperar dos desafios da vida:

• Faça conexões com amigos e familiares. • Evite ver crises como problemas insuperáveis. • Aceite que a mudança é uma parte da vida. • Desenvolva metas realistas e trabalhe com elas regularmente. • Tome ações decisivas. • Procure oportunidades de autodescoberta, especialmente quando confrontado com dificuldades. • Cultive uma visão positiva de si mesmo. • Manter as coisas em perspectiva. Quando cara-a-cara com um desafio significativo, pode ser fácil perder a visão geral. • Mantenha uma perspectiva esperançosa. • Cuide-se prestando atenção às suas necessidades e sentimentos e permanecendo em boa forma.

Essas habilidades para a vida são de longo alcance e profundamente impactantes. Talvez a melhor coisa de melhorar qualquer uma dessas habilidades seja que elas se alimentam umas às outras. Tornar-se um comunicador melhor reduzirá os casos de estresse e melhorará sua capacidade de combater o estresse, as habilidades de pensamento crítico o ajudarão na tomada de decisões, o cultivo da empatia pode torná-lo um melhor comunicador e assim por diante. Com algum esforço intencional e foco, esses cinco recursos podem ser melhorados, melhorando sua vida no processo.

Conteúdo Bloqueado

Ajude-nos a crescer! Compartilhe esta matéria com seus amigos no Facebook clicando no botão abaixo para desbloquear o conteúdo automaticamente. Compartilhar é grátis!

Clicando no botões você concorda com os termos de uso e política de privacidade