Funap: presos tentaram “dar sumiço” em arquivos ao saber de auditoria – Donny Silva

0
33
imagem03-08-2019-15-08-05
imagem03-08-2019-15-08-05

Fato foi denunciado pela direção da Fundação à polícia, que investiga ex-servidores acusados de irregularidades na gestão Rollemberg

RAFAELA FELICCIANO/METRÓPOLES

imagem03-08-2019-15-08-06
imagem03-08-2019-15-08-06

MIRELLE PINHEIRO

imagem03-08-2019-15-08-06
imagem03-08-2019-15-08-06

REBECA BORGES

 

Dois internos atendidos pela Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap) foram levados à delegacia após serem flagrados tentando suprimir documentos do setor administrativo do órgão. O caso ocorreu em 8 março deste ano e integra o inquérito da Operação Pecúlio, deflagrada na manhã desta sexta-feira (02/08/2019). A Polícia Civil e o Ministério Público investigam suspeita de irregularidades na Fundação, entre 2017 e 2018, na gestão de Rodrigo Rollemberg (PSB).

De acordo com a direção da Funap-DF, a tentativa de ocultação de documentos ocorreu após ex-servidores, alvos da operação, descobrirem que o Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) faria uma auditoria para apurar as falhas na Fundação. Segundo testemunhas, um dos presos teria tentado engolir papeis. A preocupação seria com folhas de pontos, recibos, entre outros, que poderiam indicar fraudes ocorridas na gestão passada.

À polícia, os detentos afirmaram que foram orientados a “dar um sumiço” nos arquivos, que estavam dentro do Centro de Internação e Ressocialização (CIR), do Complexo Penitenciário da Papuda. Dois funcionários foram apontados como suspeitos e acabaram afastados. Ao Metrópoles, a diretora executiva da Funap, delegada Deuselita Pereira Martins, afirmou que, assim que assumiu o cargo no começo deste ano, percebeu irregularidades em pagamentos.

“Diante da gravidade dos problemas encontrados, registramos ocorrência e encaminhamos o caso para investigação na delegacia especializada. Em uma análise preliminar, constatamos que o repasse dos pagamentos aos presos era feita de forma que facilita a fraude e que não havia fiscalização adequada. Em alguns casos, verificamos que o nome e o CPF dos beneficiários eram divergentes dos dados do preso”, explicou.

Um ex-servidor é acusado de forjar cadastro para incluir detentos como supostos beneficiários. Só que eles sequer deixavam a cadeia para trabalhar. Com isso, o funcionário da Funap embolsava o valor pago e concedia a remissão de pena ao preso, que recebia uma pequena quantia do fraudador. Há ainda a suspeita de participação de laranjas no esquema investigado.

Funap: presos tentaram “dar sumiço” em arquivos ao saber de auditoria

Abrir em Tela Cheia

imagem03-08-2019-15-08-07
imagem03-08-2019-15-08-07

imagem03-08-2019-15-08-07
imagem03-08-2019-15-08-07

9/9

Rafaela Feliciano/Metrópoles

imagem03-08-2019-15-08-09
imagem03-08-2019-15-08-09

1/9

Rafaela Felicciano/Metrópoles

imagem03-08-2019-15-08-10
imagem03-08-2019-15-08-10

2/9

Operação Pecúlio: policiais cumprem mandados de busca e apreensãoDivulgação

imagem03-08-2019-15-08-10
imagem03-08-2019-15-08-10

3/9

Rafaela Felicciano/Metrópoles

imagem03-08-2019-15-08-12
imagem03-08-2019-15-08-12

4/9

Arma apreendida durante operação. Uma pessoa foi presa em flagranteDivulgação

imagem03-08-2019-15-08-13
imagem03-08-2019-15-08-13

5/9

Detido foi liberado após averiguaçãoRafaela Felicciano/Metrópoles

imagem03-08-2019-15-08-14
imagem03-08-2019-15-08-14

6/9

Uma pessoa foi presa e vai responder por posse ilegal de armaRafaela Felicciano/Metrópoles

imagem03-08-2019-15-08-16
imagem03-08-2019-15-08-16

7/9

Rafaela Feliciano/Metrópoles

imagem03-08-2019-15-08-17
imagem03-08-2019-15-08-17

8/9

Rafaela Feliciano/Metrópoles

imagem03-08-2019-15-08-07
imagem03-08-2019-15-08-07

9/9

Rafaela Feliciano/Metrópoles

imagem03-08-2019-15-08-09
imagem03-08-2019-15-08-09

1/9

Rafaela Felicciano/Metrópoles

Documentos apreendidos nas gavetas de uma das servidoras afastadas reforçam a suspeita de que o sistema foi burlado. “Quando comunicamos a comissionada sobre a apuração, ela reagiu. Afirmou que não tínhamos o direito de pegar os arquivos. Disse que eles eram dela. No entanto, no dia seguinte, devolveu outros documentos que estavam em sua posse, assim como uma quantia em dinheiro. Recurso que teria que ser usado para pagar os internos. O ato foi protocolado, mas a servidora não deu maiores explicações”, detalhou a delegada.

Fonte: Metrópoles

Conteúdo Bloqueado

Ajude-nos a crescer! Compartilhe esta matéria com seus amigos no Facebook clicando no botão abaixo para desbloquear o conteúdo automaticamente. Compartilhar é grátis!

Clicando no botões você concorda com os termos de uso e política de privacidade